De Robôs Caçadores de Pragas à Injeção em Sementes: as Novas Startups do Agro

Pontos Principais

  • Agritechs captaram US$ 1,3 bilhão de investimento no Brasil em 2022.
  • No mundo, aportes no setor aumentaram 866% nos últimos dez anos.
  • Maior demanda por alimentos e aumento da produtividade no campo são alguns dos motivos da expansão das startups do agro.

Se há algo que vai bem no Brasil é o ecossistema das agritechs. No ano passado, as startups do agro brasileiras captaram US$ 1,3 bilhão, à frente de países como Israel (US$ 1,2 bilhão) e França (US$ 1,1 bilhão). O número de agritechs também segue em expansão: hoje, são mais de 1.700, 10% a mais do que em 2021, de acordo com dados da Embrapa e SP Ventures. Mesmo assim, é um universo mais tímido do que de fintechs e startups de outros segmentos, como saúde e educação, já mais consolidadas.

undefined

Fonte: Embrapa e SP Ventures

O volume de investimentos começou a aumentar nos últimos anos, diante de novos desafios que vão de questões relacionadas à segurança alimentar, mudanças climáticas, sustentabilidade e geopolítica. O aumento da produtividade do agronegócio brasileiro, que deve crescer cerca de 10% neste ano, também vem impactando positivamente o setor.

Não é de se estranhar que negócios focados na agricultura de precisão, que oferece ferramentas para o aumento da produtividade e a gestão de riscos, ocupem o primeiro lugar no ranking de atração de recursos, com 35,2% dos investimentos, segundo dados do Distrito, plataforma de inovação, seguida por startups de robotização (14,2%) e biotecnologia (14,2%).

Globalmente, os aportes em agritechs atingiram o pico em 2021, quando somaram US$ 53,2 bilhões. O boom de preocupações com segurança alimentar e o impacto da agricultura no meio ambiente foram um dos motores das rodadas de investimento em startups que desenvolveram de fertilizantes biológicos a fazendas verticais e carnes plant-based, à base de vegetais.

undefined

Fonte: AgFunder.

No ano passado, a volatilidade do mercado de private equity e o cenário econômico global mais desafiador, com sucessivos aumentos nas taxas de juros, reduziram os investimentos em agritechs. A limitação dos aportes fez com que as captações das startups do agro caíssem 44% em 2022, passando a cerca de US$ 29,6 bilhões, segundo a AgFunder, fundo de investimento americano focado em agritechs.

undefined

Fonte: AgFunder

No mundo, esses desafios continuaram se impondo no primeiro trimestre do ano, como mostra um estudo do PitchBook, empresa americana de análise de mercado especializada em venture capital e private equity. O volume de investimentos caiu 39% comparado ao trimestre anterior, aponta a companhia. A desaceleração econômica global e a crise bancária nos Estados Unidos e na Europa explicam boa parte da queda dos aportes, segundo a companhia.

undefined

Fonte: PitchBook. *Até março/23

Mesmo assim, negócios importantes continuaram a ser fechados. No total, US$ 1,9 bilhão foram investidos, por meio de fundos de venture capital, em 172 agritechs ao redor do mundo. A eFishery, startup de novas tecnologias para aquicultura da Indonésia, captou US$ 150 milhões, enquanto a Halter, da Nova Zelândia, recebeu US$ 85 milhões para aprimorar sensores e equipamentos para vacas, baseados em inteligência artificial – os aparelhos são usados para monitorar parâmetros como a temperatura, batimentos cardíacos e fertilidade dos animais.

Ao mesmo tempo, startups de soluções de robótica, irrigação e financiamento permanecem em alta. No Brasil, a Solinftec captou R$ 100 milhões este ano para turbinar tecnologias de monitoramento de safra, com foco na cana-de-açúcar – a empresa criou robôs que matam insetos e analisam o solo para identificar a necessidade de uso de adubos ou defensivos.

Esse tipo de ferramenta, que integra o conjunto de soluções da agricultura de precisão, pode gerar economia para o produtor rural, entre outros benefícios. Por exemplo, uma usina de cana-de-açúcar normalmente utilizaria 300 quilos de fertilizante por hectare – com uma análise melhor do solo, é possível reduzir esse custo em cerca de R$ 300 por hectare.

undefined

Plantação de cana: novas tecnologias para redução de custo e aumento de produtividade. Foto divulgação.

Há espaço também para negócios nascentes. A DioxD, fundada em 2018, recebeu mais de R$ 1,4 milhão de fundos como GR8 Ventures e da aceleradora AgroVen. Os recursos vão ser destinados ao ganho de escala e ao aprimoramento de uma tecnologia baseada na aplicação de CO2 em sacos de sementes de soja para acelerar a germinação da planta.

undefined

Na visão do Agtech Garage, um dos maiores hubs de inovação do agro na América Latina, a tendência é que soluções voltadas à otimização da produção continuem ganhando espaço, assim como o uso de novas tecnologias para monitorar a lavoura.

“Além de gerar economia de tempo e permitir que a força de trabalho seja alocada em outras atividades mais estratégicas, os avanços tecnológicos permitem maior precisão e inteligência na tomada de decisão”, avalia José Tomé, CEO do AgTech Garage e sócio da PwC Brasil.

De modo geral, o cenário para investimentos em startups do agro neste ano é um pouco mais otimista do que em 2022. A consultoria britânica Oghma Partners, especializada em aquisições e investimentos no setor de alimentos e bebidas, aponta que as dificuldades mais impactantes do ano passado aos poucos devem ficar para trás, embora ainda haja desafios para apostas em novas empresas em meio a um ambiente de negócios volátil.

“Parte do aumento de custos e do ambiente de financiamento mais complexo observado em 2022 deve diminuir neste ano. Esperamos encontrar investidores dispostos a níveis de avaliação atraentes das agritechs”, diz Mark Lynch, sócio da consultoria britânica Oghma Partners.

undefined

Fonte: Banco Central, Banco Mundial e FED St. Louis

Carla Aranha

Amendoim e Aflatoxina: Mitos e Fatos

  • A aflatoxina pode afetar amendoins mal armazenados e processados.
  • É cancerígena/mutagênica em humanos e animais.
  • Nos últimos anos, o Brasil melhorou seus controles de aflatoxinas para amendoim.

Carla Aranha

3 dias atrás

2 min

Mercado de Milho se Aproxima de Níveis mais Baixos

  • Com os preços atuais, o milho perderá hectares para a soja em muitas regiões produtoras.
  • Neste ano, a relação estoque/uso de milho dos EUA será a mais alta desde 2016/17.
  • As exportações russas de trigo pesam no mercado.

Alberto Carmona

4 dias atrás

2 min