Pontos Principais

O mundo vive uma escassez de suco de laranja desde o ano passado. Agora, os últimos números da produção do Brasil – principal produtor – mostram redução nos volumes, agravando o problema de abastecimento.

O contrato de futuros do FCOJ tem apresentado uma tendência ascendente constante desde o início de 2023. O aumento dos preços começou a ganhar ritmo em meados de 2023 e, embora já tenha perdido dinamismo, permanece elevado. O contrato de setembro de 24 está agora em torno de US$ 366, comparado aos US$ 166 de dois anos atrás.

Fonte : GELO

Dinâmica Laranja Explicada

O Brasil é o maior produtor mundial de suco de laranja, seguido pela China. É também o maior exportador de suco de laranja, respondendo por pouco menos de 60% das exportações globais. Brasil, México, EUA e Argentina representam cerca de 70% de todas as exportações de suco de laranja, o que significa que a oferta internacional está altamente concentrada nas Américas.

Isso significa que quaisquer problemas de produção ou fornecimento no Brasil ou nas Américas terão um enorme impacto nos estoques globais de suco de laranja. No momento, a oferta no Brasil está diminuindo. Em 2022, teve os menores estoques desde pelo menos 2011 segundo a CitrusBR , Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos. 

Fonte : CitrusBR

Brasil vive desafios

De acordo com a última atualização do Fundecitrus , há queda na produção de laranja para o cinturão citrícola paulista e oeste-sudoeste mineiro na safra 2023/24. A produção estimada deverá ser de 309,34 milhões de caixas de 40,8 kg cada (90 lbs), o que representa uma redução de 2,22% quando comparada às 314,21 milhões de caixas da temporada anterior.

Fonte : CitrusBR

Vários fatores contribuíram para esse declínio na produção. Um elemento significativo foi a adoção de um ritmo de colheita mais rápido, visando reduzir o índice de queda de frutos e as perdas na produção. No entanto, apesar deste esforço, a taxa de queda de frutos manteve-se superior aos níveis históricos.

Um factor crucial que influenciou a diminuição da produção foi a mudança no padrão climático experimentada durante a época agrícola. O primeiro semestre de 2023 registou chuvas abundantes, mas seguiu-se um défice de precipitação nos seis meses seguintes, persistindo até ao final da temporada em 2024. Esta mudança nas condições meteorológicas, juntamente com o agravamento da doença do greening dos citrinos e o ritmo acelerado de colheita, encurtou o período de desenvolvimento das laranjas. 

Fonte : CitrusBR

Como resultado destes fatores combinados, os frutos colhidos foram menores do que o previsto. Embora o ritmo acelerado da colheita tenha colocado desafios ao crescimento dos frutos, produziu um resultado positivo ao mitigar as perdas atribuídas à queda prematura dos frutos.

Em todas as variedades, o tamanho médio dos frutos colhidos significou 255 frutos enchendo uma caixa de 40,8 kg. Foi um aumento de oito frutas em relação à projeção de maio de 2023 do Fundecitrus . Essas frutas pesavam em média 160 gramas (5,64 onças), ficando abaixo do peso médio registrado na última década, que era de 163 gramas (5,75 onças). 

Fonte : CitrusBR

Produção dos EUA em declínio

Essas questões não estão impactando apenas a produção de laranja no Brasil, mas também nos Estados Unidos, que é um importante produtor da fruta. Flórida e Califórnia são os maiores estados produtores de laranja do país.

No ano passado, os EUA tiveram o menor volume de laranjas desde que o USDA, Departamento de Agricultura, começou a manter registros. Na safra 2011/12, os EUA ocuparam o segundo lugar na produção mundial de suco de laranja, atrás do Brasil. Hoje, os EUA estão em terceiro lugar, atrás do México.

Fonte : USDA

Isto se deve à doença do greening dos citros, também conhecida como HLB. A doença afeta a doçura e a cor das laranjas, deixando uma parte significativa da colheita no estado considerada inadequada para a produção de suco, já que as regulamentações nacionais exigem que o suco de laranja tenha um nível Brix de pelo menos 10,5 graus. De acordo com uma pesquisa Row Count do USDA realizada em março, 51% da safra de Valência foi colhida e o tamanho dos frutos estava abaixo da média.

Além disso, os EUA enfrentam atualmente limitações no fornecimento de suco de laranja devido ao impacto da safra 2022/23 pelos ventos fortes do furacão Ian, que causou um declínio na produção na Flórida. O estoque também está caindo. 

Fonte : Florida Citrus

Diante de vários desafios, a produção da Flórida e de outras regiões conseguiu testemunhar uma ligeira recuperação na produção para o ano 2023/24. No entanto, isso não foi suficiente para compensar a menor produção no Brasil. Como resultado, a produção global equivalente do FCOJ é estimada em 1,4 milhões de toneladas métricas, um declínio de 3% em comparação com a produção do ano anterior de 1,34 milhões em 2022/23.

O futuro da laranja parece sombrio

Olhando para a época 2024/25, o mercado global de sumo de laranja enfrenta atualmente preços elevados devido às contínuas restrições de oferta, e foi confirmado que os stocks permanecerão esgotados durante algum tempo, tornando a situação ainda mais complexa.

Segundo a última previsão do Fundecitrus , a colheita 2024/25 deverá render 232,38 milhões de caixas de laranjas, cada uma com 40,8 kg. Isso é 24,36% menor que a safra 2023/24, sendo a menor da última década. Isto pode ser atribuído a uma combinação de níveis de precipitação mais baixos, que se espera que sejam 30-40% inferiores à média durante os próximos seis meses, e temperaturas elevadas.

O greening dos citrinos continua a ser uma preocupação, o que provavelmente levará os agricultores a colher mais cedo devido aos seus efeitos. As altas temperaturas também contribuem para isso, pois levam a um amadurecimento mais rápido dos frutos. Esses fatores podem impactar a qualidade da fruta e diminuir a produção de suco. Além disso, com uma colheita menor, haverá mais mão de obra disponível, o que também resultará numa colheita mais rápida.

O que esperar desta colheita

Como de costume, os maiores volumes serão colhidos na primeira e na segunda floração, representando 64% e 18% da safra respectivamente. A terceira floração representará 11%, enquanto a quarta deverá representar cerca de 7%. Isto é atípico, pois geralmente representa cerca de 2% a 3%.

Com esse florescimento tardio incomum, algum volume adicional poderá ser fornecido, e isso permitirá ao Brasil compensar as perdas anteriores.

Victoria Cinel

Victoria joined Cz in June 2023 after graduating from UCL School of Management with an MSc in Management (Corporate Pathway) in 2022. She works in the FIP team, focusing on Coffee, Nuts, and Seeds. Before coming to London, Victoria worked at an investment bank in Brazil, where she also got her Bachelor's degree in Social Communication.
Mais deste autor